Arrancaram meus pedaços

35c9c84ef31d9827800aecea87d32bcb

Vou completar 8 meses que decidir separar do meu marido. (mudança)

8 meses que eu dei os passos mais doloridos que um dia eu pude dá, 8 meses que eu seguir em frente quando tudo o que eu queria era me fechar em uma concha e fingir que nada estava tão ruim. 8 meses em que o dia 8 de abril perdeu a graça, 8 meses e tudo mudou e mudou para melhor. Os 7 meses que permaneci casada, eu esqueci o som da minha gargalhada, perdi o brilho do olhar que complementa o sorriso, eu havia perdido a coragem de ser eu, estava aprisionada buscando os sonhos que nunca iriam se realizar, me pego pensando na quantidade de pessoas que já se perderam tanto de si mesmas que já não conseguem voltar. E, eu não jugo, é tão complicado refazer os passos, refazer a vida, olhar vergonhosamente nos olhos das pessoas que você ama e que te amam e que tiveram que te assistir se afundar em tristeza, as pessoas que sempre estiveram ali por mim.

O processo de se refazer machuca, pois se faz necessário retirar coisas da sua vida, as coisas são até simples, o complicado é trabalhar os sentimentos e sentidos: ah, os sentidos te traem quando você passa e senti o cheiro, quando alguém segura tua mãe e entrelaça os dedos e você lembra da segurança que aquele gesto um dia te deu ou quando a gente conversa sobre um mês que se sonhava algo, os sonhos são os mais complicados de largar, por que você jura que superou e uma fotografia, serie, ou comentário maldoso que as pessoas fazem, as vezes sem querer, você sente aquele soco no estomago, aquela falta de ar que ninguém percebe, pois é tudo tão rápido e somente você vai precisar lidar com isso. E vou trabalhando o que dá. Um dia por vez.

8 meses e um trabalho gigante de me refazer e de reconstruir as pontes que eu queimei eu tinha feito uma plantação tão linda em minha vida, uma rede de amigos, um relacionamento com a minha família e muitas dessas pessoas eu magoei profundamente evitando magoar aquele que me magoava deliberadamente, mas nossas escolhas nos perseguem e fazem 8 meses que tento restabelecer a confiança que foi perdida. Me sinto amada por muitas pessoas, mas nada estava igual e mesmo hoje, eu sei que nada esta igual.

Eu não estou igual… tudo mudou, e vou continuar mudando, porque a melhor coisa que me aconteceu nos últimos 12 meses foi ter decidido mudar ha 8 meses, e estive e estou disposta a pagar o preço de ouvir minha gargalhada, de sair com as amigas, de comer porcaria de poder ser eu mesmo todos os dias sem medos nem amarras, de seguir em frente sem medo do que tem pela frente, pois hoje mais do que nunca eu sei que não estou seguindo sozinha, hoje mais do que nunca eu sei que plantei direito, e que todo o tempo que passo com as pessoas da minha vida são os melhores momentos e se tiver alguém, quem quer que seja, que deseje fazer parte da minha história vai precisar entender que eu amo profundamente muita gente, que gosto de abraço, que amo minhas amigas e amigos, que gosto de ri alto, que falo inglês errado, que vou para a igreja e dou aulas e que as vezes uma pessoa pode chegar em nossa casa sem ter sido convidada, pois na minha casa meus amigos não precisam de convites, que eu amo animais, que gosto de cantar alto, que oro quase o dia inteiro, leio a bíblia em voz, alta, que gosto de escrever no blog, me perco assistindo series, que sou exagerada e não gosto de jogar, que falo tocando, que abraço com o corpo, que vou ri de nervoso, que minha mãe é minha mãe e que qualquer pessoa vem depois, meus irmãos são meus amigos e meus sobrinhos são uma extensão do meu coração.

Não quero abrir mão de nenhum pedaço meu, nunca mais.

 

Sem um pai

pai-ausente

Minha relação com meu pai é estranha, mas nem sempre foi assim, um dia há muito tempo ele era uma das minhas pessoas favoritas no mundo, era com ele que eu saia para conhecer os cantos mais diferentes, nunca reclamava de ficar com as pernas dormentes, por passar muito tempo em cima da moto ou por meu nariz ficava muito frio, porquê eu adorava sair com ele.

Adorava ser a filha topa tudo, mas tudo desmoronou aos poucos e depois rápido demais.

Fomos percebendo que o tempo que ele passava conosco era cada vez mais raro, que ele quase nunca dormia em casa, que ele simplesmente não sabia absolutamente nada sobre a vida que vivíamos, e mesmo assim minha mãe nos ofereceu uma infância feliz e segura.

Mas eu e meus irmãos já sabíamos que tínhamos deixado de ser prioridade na vida dele, mas tudo desmoronou quando um dia ele me chamou para passear e me levou para conhecer a outra filha dele, uma criança linda de apenas três anos e mesmo ainda sendo uma criança, eu sabia o que aquilo significava para mim como filha e para a minha família como um todo.

E naquele dia, eu tomei partido, não desejava mais ser sua filha bem quista, não quando ele sentiu necessidade de buscar uma nova família. Se não bastávamos para ele, porque ele tinha que bastar para as nossas vidas.

Não vou mentir, muitos anos já se passaram e essa menina de 3 anos, hoje é uma mulher linda, que eu admiro e amo. Ela é minha irmã e não há no mundo uma pessoa que tenha condições de mudar isso. De todo o caos que se seguiu, ela foi meu melhor presente, meu amor inteiro.

Poucos anos depois, mesmo sem ter as condições necessárias, minha mãe se separou do meu pai e minha mãe se tornou uma mulher divorciada e eu e meus irmãos nos tornamos filhos de uma mãe solteira, pois quando saiu da nossa casa, paulatinamente o pai saia das nossas vidas.

Muitos anos já se passaram, demos a volta por cima, vivemos com o pouco e fomos agraciados pelo cuidado de muitos, pessoas que somos muito gratos, minha mãe que Deus sustentou e cuidou em quanto ela dava tudo de si para que pudéssemos ter onde morar, o que vestir e o que comer. Ela que nos deu um lar, para voltar, um Deus para servir e um ombro forte e largo onde descansar nos dias maus.

Crescemos, lutamos, vencemos muitas dessas lutas, hoje eu e meus irmãos somos pessoas fortes e estabelecidas que não se curvam sob qualquer vento. Hoje minha mãe tem uma casa que é dela, uma profissão e uma aposentadoria, para quando ela desejar descansar.

Meu pai, perdeu o melhor de tudo, ele perdeu nossas formaturas, casamentos, nascimento de netos, batismos, perdeu natais, aniversários, sorrisos ao redor da mesa, amor sem medida, tem perdido, sorriso e o crescimentos dos netos, tem perdido o amor que ele nunca soube dá.

Ontem encontrei com o meu pai e apesar de respeitá-lo e ser grata pelo que ele nos ofereceu. A conexão se foi, o vinculo se quebrou, casei, separei, me estabeleci e em nenhum momento pensei nele como um pai, para isso eu tive minha mãe, meus irmãos e tios que assumiram seu lugar quando necessário.

Ontem eu vi meu pai e apesar da alegria por saber que nada nos separa de fato, tem a certeza que de igual modo nada nos uni. E eu sei que muita gente daria tudo para ter o pai vivo e eu provavelmente daria tudo para ter tido um pai que fizesse questão de está presente e que desejasse ter sido meu pai.

Borboletas?!

new

Atualizações sobre a minha inexistente, mas resistente vida amorosa rsrsrs

O homem responsável pelas borboletas. Bom ainda não nos encontramos e pelo o que eu tenho acompanhado não acredito que isso venha a acontecer. Mas ainda nos falamos, menos que no inicio e é provável que com o tempo até essas pequenas conversas terminem também.

O que eu tirei de bom foi que eu vi todas as possibilidades o fato de meus traumas, medos não serem tão fortes a ponto de me paralisar, que ainda posso viver uma outra historia e que ela pode ate dá certo.

Estou com a alma quieta e isso é bom, para não dizer raro.

Vivendo a vida

rugindoDias loucos. Minha dor retornou, não com a mesma intensidade, mas voltou junto com uma tosse que só piora minha dor, e as vezes, só as vezes, bate um desespero, um medo que isso nunca termine.

Passar o dia e a noite sentindo dor te enlouquece aos poucos, você andar e doer a ponto de te paralisar ser necessário, esperar um tempo, paradinha para que a dor diminua e eu possa seguir meu caminho. Tento todas as vezes pensar no “jogo do contente” que aprendi em um livro quando criança e penso na dádiva de se ter pernas, quadril e a capacidade de andar, mesmo com dor, de ir trabalhar e retornar para casa. Tento pensar e vejo que tenho razão, que as coisas não são tão ruins como parecem.

Não posso parar e lamentar as minhas próprias escolhas o que eu posso fazer e modificar as minhas escolhas e melhorá-las e é isso que eu tenho em mente.

Por conta da dor, reiniciei a minha fisioterapia, e terei que perder nada menos que 16 quilos. perder peso nunca foi fácil para mim, na verdade é algo bem complicado, gosto de comidas gordas e não gosto de frango, peixe, verduras e essas coisas que as pessoas magras comem. Mas, terei que mudar minha rotina, confesso que iniciei aos poucos, estou comendo melhor, não me sinto mais magra, nem mais gorda, me sinto determinada…

Ontem fui ao médico no final da tarde e vi que no “vale a pena ver de novo” está passando a novela “Senhora do Destino” e me peguei pensando que apesar das pequenas interferência de terceiros, sou a responsável por meu futuro, sucesso ou fracasso.

E posso dizer que já fracassei demais, hora de começar a ganhar, e para ganhar preciso vencer de mim mesma, ultrapassar hábitos e costumes, ser a melhor para que na sequencia eu seja a primeira.

Era para ter sido você, apesar que nessa altura do tempo já nem sei se você existe, apesar que para mim você sempre foi uma boa esperança. Já faz tempo um tempo que eu gostaria de ter vivido com você que eu nem sei se existe. Mas somos programadas a esperar alguém e eu volto a te esperar.

1907412_762674843778441_8015347928316722867_n

Estou seguindo a minha vida, seguindo de verdade, sentei de frente ao volante e estou tentando desviar dos buracos, buscando o sucesso na minha vida profissional, precisando fechar alguns ciclos na minha vida estudantil e preciso fechar um ciclo na minha vida pessoal.

Mas, hoje, hoje eu queria ser uma daquelas pessoas que se desviam de um erro e na semana seguinte encontram o amor da sua vida, como se o homem estivesse ali esperando você se desviar do que estava te tirando o foco dele.

Casei, separei, mas ainda quero tudo isso, casa, marido, filhos, bagunça, sonhos, oração, culto domestico, ir para a igreja, ensinar a criança no caminho em que deve andar, quero a obrigação de festa de aniversário de criança, quero brinquedo, quero aniversário de uma ano dos filhos, viagem de férias, quero sentar e organizar nossa vida financeira, separar o dizimo, dividir a vida, dividir a cama, buscar aconchego, buscar silêncio, buscar a mão. Quero, sorrir, quero dividir minha vida com alguém que deseja somar comigo, quero alguém para dá certo, para que meus filhos tenham um pai, meus sobrinhos um tio, minha mãe um genro, meus irmãos um cunhado e eu tenha um marido para chamar de amigo, de olhar e agradecer por tudo ter dado errado porque só assim poderia dá certo.

eu não tenho forças para querer mais isso do que eu quero agora. Eu pedir há uns anos atras e vou pedir agora, me acha!

Em+Frente

mm

Sou filha de pais separados e neta de avós separados, fui criada ouvindo que o meu marido se chama trabalho e que não existe nada melhor do que ser independente.  Cresci tendo medo de boneca e amando correr e brincar na rua. Brincar de casinha nunca foi o meu forte.

Dei meu primeiro beijo com um menino que pensava que me enganava com a minha melhor amiga, mas na verdade eu e ela estávamos aprendendo a beijar e ele estava ali, disponível, na época eu tinha 13 anos e meu primeiro beijo foi no dia dos namorados, mas não houve nada de romantismo, foi na verdade bem didático e bom. Depois que conseguimos o que queríamos eu e minha amiga terminamos com ele simultaneamente, acho que ele não gostou muito, ninguém gosta de ser enganado.

Me apaixonei, várias vezes, dei outros beijos, mais interessantes. Aqueles beijos que fazem nosso coração saltar de ansiedade e felicidade. Até que conheci meu primeiro namorado, eu tinha 15 anos, e já havia beijado algumas pessoas. E agora escrevendo isso percebi que não lembro do meu primeiro beijo com ele, mandei um zap para ele perguntando e ele lembra e já fazem 18 anos, o primeiro amor é sempre marcante. Eu lembro com  nitidez do último, mesmo que na época eu não esperasse que fosse o último, mas foi e eu vi meu coração partido, pela primeira vez sentir aquela dor complicada de descrever, a dor de não ter.

Seguir em frente e 15 dias depois ele me pedia para voltar, aos 16 anos eu era uma criatura mais orgulhosa. Depois dele tive outros bons namorados, e com todos os outros eu terminei, até eu namorar um rapaz mais jovem e para ele dá meu coração, ele era meu melhor amigo, e hoje depois do fim, lamento só não poder tê-lo em minha vida.

Sempre me considerei muito seca sentimentalmente, meio homem quando se trata de ficar e não me envolver, ainda hoje consigo ficar com uma pessoa, sem que meus sentimentos sejam envolvidos, consigo seguir sem olhar para traz. Consigo lamentar sem dramatizar, seguir em frente, pois na vida temos que enfrentar o que vem e não lamentar o que passou. Em frente e enfrente.

12 que eu aprendi no último ano

Sempre aprendendo e crescendo. 12 que eu aprendi no último ano

  1. O amor de Deus cura qualquer ferida. Por isso que Ele é exaltado como cuida DOR, salva DOR. É somente Ele quem cura a dor e nos salva dela.
  2. Família é a única coisa realmente permanente em nossas vidas: Não importa o que aconteça ou o que você faça, são eles que vão te ajudar a levantar a poeira e seguir.
  3. Amigos são presentes de Deus e muitos deles são promovidos para a categoria, família. Graças a Deus por eles.
  4. Que não é bom mudar por uma pessoa, clicher eu sei, mas demorei para entender a profundidade.
  5. Que  quando conhecemos a felicidade de fato, não nos contentamos com sentimentos medíocres, eles podem até satisfazer no inicio, mas você está habituado a ter o melhor, não vai se contentar com menos, sabendo que pode ter mais.
  6. Que Netflix, as vezes pode ser uma excelente companhia. São tantas series ótimas, filmes, documentários…
  7. Que quando estamos tristes o passado feliz volta com tanta força que te força a se mexer e reconstruir o que estava destruído.
  8. Aprendi a esperar por dias melhores e quando eles não chegaram eu aprendir que tinha o poder de tranformar meus dias.
  9. Aprendi que minha alma não é daqui, fica inquieta quando não muda de cenário, que sente falta de ver as nuvens por cima que sente falta de viajar.
  10. Aprendi que amo, sorrir, que sinto saudade de gargalhar, de ficar em volta de uma mesa conversando “miolo de pote” com um grupo de amigos.
  11. Que devemos lutar por nossos sonhos, mas sem perder de vista os valores que realmente importa.
  12. E uma versão repetitiva, mas que é totalmente verdadeira é melhor está só do que mal acompanhado.
girly
Valeu

Metas

No ano que se passou tive vários problemas de saúde, um deles foi descobrir uma hérnia de disco o que acabou com a minha qualidade de vida, pois com dor é impossível se sentir bem, mesmo que você pareça bem.

correndo

Tenho falado aqui sobre as minhas metas e uma delas, é realizar atividade física pelo menos duas vezes por semana e como eu estou em um período de contenção de despesas escolhi realizar a atividade que não vai me onerar. Vou fazer caminhada duas vezes por semana, na areia da praia, o beneficio de morar no litoral é que podemos correr na orla. Decisão tomada de correr na beira mar as quartas e sábados, com direito, no sábado a um mergulho. Isso sim é qualidade de vida, mas por enquanto esses são os planos. Mas eu já tenho: Data, local, horário, fica mais fácil ser algo real.

Lendo um pouco sobre andar na areia da praia, vi que;

A areia da praia tonifica músculos: Esfolia a pele dos pés; remove as células naturalmente, a água do mar também limpa as unhas e amolece calos e rachaduras nos calcanhares, facilitando uma limpeza profunda dos pés.

Limpa os pulmões: já que o ar da praia é rico em iodo que vem do oceano é muito bom para descongestionar as vias aéreas e proporcionar aos pulmões o abastecimento de oxigênio de que precisa para oxigenar o corpo todo.

Combate à ansiedade a depressão e melhora o humor: o sol e o mar estimulam a produção dos chamados “hormônios do bem-estar”, como a endorfina, e inibe a produção do cortisol, o hormônio do estresse.

Tirando que você perde algum peso, se associado a uma dieta balanceada, que é o meu caso, tem o benéfico de está saindo de uma vida sedentária e a possibilidade de você (eu) gostar de estar com o corpo em movimento.

Então vamos correr que a vida está voando!